Mergulho Profundo

20 dez

    Mergulhei profundo no oceano de lágrimas que eu mesma criei. Entretanto, sabia que em algum momento teria que voltar à superfície, sair desse aparente mundo das ideias medíocre e instável. Já passara a hora de voltar e eu realmente não queria me afogar nos meus próprios sentimentos. Voltei, então, a realidade. Era hora de mudar.

Dei um basta na insignificância da minha simples existência. Quero dar toda vida que eu puder ao verbo viver. Da beira das águas do meu oceano, joguei com tamanha força os sentimentos que tomavam conta de mim de modo que todos afundaram. Os mais densos, que pesavam a alma do meu ser, permaneceram alojados nas profundezas. Já os mais leves, foram inusitadamente trazidos de volta à beira pelas ondas formadas pelas melhores vibrações possíveis. Naquele momento, tive a certeza de que aquilo que é realmente nosso, sempre volta. A densidade que pesava na minha consciência se foi, nunca me pertenceu.

Com os pés firmes no chão, livre de qualquer peso ou insanidade, continuei o caminho que escolhi para seguir. Apesar de estar ciente de que novos obstáculos viriam, me sentia mais leve a cada passo que dava. Afinal, ninguém está livre de obstáculos. Todos são livres para escolher entre tirá-los do caminho ou permanecer sem saída.

E assim vou seguindo… Apegando-me ao desapego e deixando o que passou para trás. Encerrando ciclos, dando lugar ao novo. Vou tropeçar algumas vezes, mas com a certeza de que levantarei após cada queda com a cabeça erguida para ir em frente.

Sim, quero voltar a mergulhar. Mas em novos oceanos, acompanhada de belos sorrisos, de alegrias e de tudo aquilo que me faz feliz. Ah, felicidade! A chave que abre todas as portas, afasta quaisquer obstáculos e nos faz sentir que podemos ir além do misterioso infinito que nos cerca. E podemos. Fazer a vida valer a pena na busca incessante de novas conquistas é uma das maneiras de se chegar onde quer.

Hoje, mais do que nunca, percebo que não sou feliz por caminhar. Mais que isso. Caminho porque sou feliz.

*Texto publicado na 20ª edição do Concurso Literário Palavra Vida, do ISBA. Clique aqui para saber mais!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: